Pimentas para que te quero...


Marisa Fonseca Diniz



Bhut Jolokia, cumari, dedo-de-moça, jalapeno, malagueta, habanero são apenas algumas das mais variadas pimentas existentes ao redor do mundo que deixam a comida com uma sensação de ardência acentuada, além de fazer muito bem a saúde.

Não têm como não gostar de uma comida com um toque a mais, principalmente quando este toque for obtido pela ardência da pimenta. Os diferentes níveis de ardência das pimentas são medidos pela tabela de Scoville que vai de 0 a 10, sendo de 0-1 sem ardência, de 2-4 levemente ardidas, 5-7 média ardência, 8-10 de alta ardência e acima de 10 são as de ardência muito altas, mais conhecidas como nucleares.

Pimenta não é só ardência também é um saudável medicamento para o corpo, porque em sua composição há vitaminas com propriedades analgésicas e anti-inflamatórias. A pimenta é usada nas dores de dente, cabeça e estômago, além de controlar os níveis de glicose no sangue. A pimenta tem poder de aumentar a capacidade pulmonar, ajuda no tratamento da rinite alérgica e sua ardência acelera o metabolismo fazendo com que haja equilíbrio entre a temperatura externa e interna do corpo.

Os países que mais utilizam pimentas em seus pratos culinários são os seguintes: México, Índia, Coreia, Indonésia, Nepal, Tailândia e Turquia. 

Segundo a escala de Scoville, as pimentas mais ardidas do mundo são as seguintes respectivamente:

Trinidad Scorpion Butch T;
Bhut Jolokia;
7 Pot Barrackpore;
Moruga Laranja;
Moriga Vermelha.